Postado por em 16-04-2018 Imprimir . A+ . A-

IMPOSTO DE RENDA 2018: Tire aqui as suas dúvidas!

 

 

Se aproxima no fim o prazo para a entrega do Imposto de Renda Pessoa Física 2018. As declarações devem ser entregues até o dia 30 de abril. Quem perder o prazo de envio precisará pagar uma multa de 1% do imposto devido por mês de atraso até o limite de 20% do valor ou de R$ 165,74, prevalecendo o maior custo. Para evitar o prejuízo, confira se você está obrigado a fazer a declaração. Confira as situações em que isso ocorre:

 

Qualquer pessoa que tiver recebido, ao longo de todo o ano de 2017, renda tributável de mais de R$ 28.559,70 precisa fazer a declaração de imposto de renda. Salário, por exemplo, é um rendimento tributável, assim como horas-extra e 13º salário, entre outros. Valores recebidos do INSS também são tributáveis. Ou seja, aposentados também ficam obrigados a fazer a declaração do imposto de renda, caso seus rendimentos, somados, sejam superiores a R$ 28.559,70.

 

Quem recebeu rendimentos não tributáveis ou tributáveis exclusivamente na fonte que, somados, resultem em valor superior a R$ 40 mil, ele também é obrigado a fazer a declaração de imposto de renda. Entre os rendimentos não tributáveis estão dividendos, alguns tipos de indenização (como por acidente de trabalho, por rescisão de contrato de trabalho e FGTS), herança e doações recebidas. Os rendimentos tributáveis exclusivamente na fonte são os valores recebidos em concursos e sorteios, prêmios em dinheiro ou ganhos na loteria, além de juros sobre capital próprio.

 

Quem tem bens ou direitos cujo valor, somados, superem R$ 300 mil precisa fazer a declaração de IR – considerando imóveis, carros, antiguidades, obras de arte, joias. Vale lembrar que o valor do bem, para fins de imposto de renda, é sempre o valor de aquisição. Ou seja, se você comprou um imóvel de R$ 300 mil há cinco anos, o valor declarado deve ser de R$ 300 mil, mesmo que o valor de mercado atualmente seja de R$ 400 mil.

 

Em relação aos servidores da Educação que estiveram em greve, estes devem declarar os valores destacados no INFORME DE RENDIMENTOS que deveriam ser disponibilizados pela Secretária de Educação ou acessando o PORTAL DO SERVIDOR, no endereço: http://www.fatorsistemas.com.br/fatorrh/index.php?pm=campoformoso. Quem fizer diferente, vai cair na malha fina e a declaração vai ficar com pendências. Isso se deve ao fato de que, no período de greve esses valores foram lançados como pagamento de salários, porém foi descontado os dias de serviços como forma de penalidade, sendo a base de cálculos tributadas e retidas o IPCF, mensalidade sindical, consignações e IRRF, de forma que quando a Justiça determinar a devolução dos salários ilegalmente cortados, esses valores descontados serão recebidos integralmente e não sofrerão mais retenções ou seja o servidor receberá sem descontar mais nada.

 

Também é importante frisar que muitos professores que normalmente não declaram por estar abaixo da faixa de incidência do IR, terão que declarar este ano, pois receberam o salário de dezembro de 2016 no exercício de 2017 e, com isso, entraram na faixa de tributação, então é importantíssimo que todos verifiquem seus INFORMES DE RENDIMENTOS. Alguns servidores já procuraram a entidade e informaram que nem a Secretaria de Educação, nem a de Administração estão imprimindo os informes. Preocupada com isso a diretoria do SISE disponibiliza gratuitamente a impressão dos CONTRA-CHEQUES e do INFORMES DE RENDIMENTOS na sede da entidade.

 

ASCOM/SISE

Com informações do site da Receita Federal e da NA Assessoria Contábil.

 

. Comentários (0)


Deixe seu comentário

CUT
CNTE
fespumed-bahia